Mineralograma do Cabelo 
-Espectrofotometria de absorção atômica-

São vários os minerais que influenciam o bulbo capilar e o crescimento do cabelo.
O Cálcio, o Zinco, o Cobre, o Selênio e o Ferro são todos responsáveis pela saúde do cabelo.
A falta no organismo de apenas um dos minerais citados acarretará dificuldades para o crescimento do cabelo e pode determinar queda de cabelo.
Além disso, os minerais tóxicos como o Chumbo, o Mercúrio, o Alumínio, o Cádmio e o Níquel podem determinar a queda capilar entre outros sinais e sintomas.
Cabe ao médico, diante do histórico do cliente, determinar quais os exames laboratoriais deverão ser solicitados em cada caso.
Normalmente solicita-se um exame de sangue, mas dentre as possibilidades está o Mineralograma Capilar, popularmente conhecido como "teste do fio de cabelo", o qual quantifica os níveis dos minerais presentes nos fios de cabelos onde eles são 10/15 vezes superiores aos níveis sanguineos.
O cabelo reflete as reservas minerais do corpo acusando precocemente seus desequilíbrios.
As informações fornecidas pelo Mineralograma do cabelo são:
Níveis dos Minerais : Cálcio, Cromo, Cobalto, Cobre, Ferro, Lítio, Magnésio, Manganês, Mobilidênio, Fósforo, Potássio, Selênio, Silício, Sódio, Vanádio e Zinco.
Níveis dos Minerais Tóxicos: Alumínio, Arsênico, Berílio, Cádmio, Chumbo, Mercúrio, Níquel.

O Mineralograma capilar está disponível em nosso meio através de laboratórios especializados ou enviados para laboratórios americanos.
A amostra do cabelo não pode ter recebido tintura ou permanente no último mês.
Xampus anticaspa também não devem ser usados até 7 dias antes da coleta. 
A amostra é retirada da região occipital (2/cm proximais).
O Mineralograma do Cabelo é considerado pela Organização Mundial da
Saúde o método "padrão ouro" para determinar o nível de minerais tóxicos
que influenciam a saúde humana.